11/04/08


A tristeza é senhora
Desde que o samba é samba é assim
A lágrima clara sobre a pele escura
A noite, a chuva que cai lá fora
Solidão apavora
Tudo demorando em ser tão ruim
Mas alguma coisa acontece
No quando agora em mim
Cantando eu mando a tristeza embora
A tristeza é senhora
Desde que o samba é samba é assim
A lágrima clara sobre a pele escura
A noite e a chuva que cai lá fora
Solidão apavora
Tudo demorando em ser tão ruim
Mas alguma coisa acontece
No quando agora em mim
Cantando eu mando a tristeza embora
O samba ainda vai nascer
O samba ainda não chegou
O samba não vai morrer
Veja o dia ainda não raiou
O samba é o pai do prazer
O samba é o filho da dor
O grande poder transformador
Caetano Veloso


Patapata (quem dança com quem)
Terça-feira, estava para ir ver Samantha Raio Laser que imita a Mariene de Castro no beco dos artistas. A meio do show faz um dueto com a avó... Enganei-me no dia e horário e cochilei no bar... estou velho. Noite de Quinta, fomos comer manissoba e escutar bossanova. Bossanova é para mim um samba de roda dos meninos de apartamento, filhos de papai, mas ainda assim bonito. Foi uma noite agradável, descontraida na associação presidida por Padre Alfredo, um corajoso jesuita que assumiu o seu relacionamnento homosexual e se desclaustrou. Celebraremos uma missa "de angelis" em breve. Noite de sexta... babalotim e logo se ve onde se dançará. Só me interessam lugares com gente simples e divertida. Nada de sofisticação e classe A, que aqui é da pesada. Um porre.

Casa do Bento
Uma casa portuguesa concerteza
- Estou, Mãezinha, é o Paulo.
- Filho, está aqui muito frio. Ninguém se preocupa com os velhos. O frio mata as pessoas dentro de casa. Deviam dar um subsidio para a luz.
- Mas a mãe tem sempre as janelas abertas - retroquiu ele.
- Se telefonaste para desconversar, não vale a pena gastares dinheiro.

1 comentário:

Rosário disse...

Queguida! Maniçoba é com cê cedilhado, "tá"?
RA